O mais tradicional desfile de carnaval de rua de São Paulo | Carnaval 2016 | 31/01/2016

O Samba até os anos 30

Em sintonia com a roda de samba deste mês que relembrará os sambas realizados até os anos 30, o Toque de Letra vem apresentar algumas histórias, personagens e músicas que marcaram a trajetória do samba até essa década, rememorando, por consequência, um pouco a história da nossa música popular. Distante da pretensão de esgotar o tema, definir os mais importantes sambistas ou contar a história definitiva desse ritmo inserido em nossa cultura, a intenção aqui é apenas difundir, em doses pouco homeopáticas, conteúdos com referências que se mostram presentes em nosso dia a dia, e que certamente influenciaram a criação e a transformação do que se entende por música popular brasileira atualmente.
por Gustavo Seraphim



O Samba até os anos 30

Batuque, Lundu, Jongo, Maxixe, Choro, Semba, Zamba, Samba, Samba-enredo, Samba-canção, Samba de quadra, Samba de breque, Samba funk, Bossa nova...

Tia Ciata, Pixinguinha, Donga, João da Baiana, Sinhô, Bahiano, Caninha, Heitor dos Prazeres, Marçal, Bide, Noel Rosa, Ismael Silva, Ary Barroso, Carmem Miranda, Cyro Monteiro, Aracy de Almeida, Lupcínio Rodrigues entre tantos outros...

Primeiro samba?
"O sucesso cercou Pelo Telefone de aspectos os mais variados, fugindo da simples conseqüência musical, de cair na preferência popular, no assobio das calçadas e na cantoria das festinhas de subúrbio. Logo um sem-número de pais-da-criança apareceu, cada um puxando a brasa para sua sardinha, todo mundo ignorando a iniciativa de Donga em registrar oficialmente sua autoria na Biblioteca Nacional." (História do Samba - capítulo 1 - Editora Globo)

Texto na íntegra em http://cifrantiga3.blogspot.com/2006/02/pelo-telefone-o-primeiro-samba.h...


Nesse vídeo podemos assistir a um encontro inusitado, Donga e Chico Buarque, figuras ilustres de diferentes gerações do samba, cantando "Pelo Telefone", em 1966, na TV Record. Ao fundo notamos ainda Pixinguinha, que, envergonhado, leva as mãos ao rosto ao ver o Donga ensaiando seus passos de dança.
http://www.youtube.com/watch?v=cyq81SD--YA&feature=PlayList&p=8615E50F4B...

O Choro
" (...) Carinhoso ficou, então, encostado por dez anos. Composto por um Pixinguinha de 20 anos, o choro não seguia a tradicional forma "rondó", com três partes, típica doso choros da época, influenciados pela polca. Apenas em 1928, a partituta daquela que se tornaria uma das músicas brasileiras mais gravadas em todos os tempos, seria registrada em versão instrumental (...)"
(Revista Bravo! Especial 100 canções essenciais da música popular brasileira) Saiba mais no link http://janasbancas.net/2008/06/03/bravo-especial-as-100-cancoes-essencia...)

Assista a Pixinguinha tocando Carinhoso, acompanhado por Altamiro Carrilho na flauta transversal.
http://br.youtube.com/watch?v=iwb2SWyWiRw&feature=PlayList&p=DCA8A51E6E5...

Veja um trecho do filme Saravah, de Pierre Barouh, onde o inconfundível João da Baiana toca prato e faca e nos brinda com canções que nos remetem às raízes africanas do samba.
http://br.youtube.com/watch?v=UP0vAHxJwNc&session=KSxNWcwRYxF3PTVg7DPHKy...

O rádio
"Formada por Alcebíades Barcellos, o Bide, Armando Marçal, Newton Bastos e Ismael Silva e mais os malandros/sambistas Baiaco, Brancura, Mano Edgar, Mano Rubem (uma brodagem bem anterior aos manos do hip hop), essa corrente injeta uma cadência mais picotada no samba e tem o endosso de filhos da classe média como o ex-estudante de medicina Noel Rosa e o ex-estudante de direito Ary Barroso, que redimensionam o estilo através de obras memoráveis. Com a explosão da era do rádio a partir dos anos 30, o samba ganha enorme difusão (...)"

Leia o texto completo em que o pesquisador Tarik de Souza conta, de forma sucinta, a história de formação do samba no link: http://cliquemusic.uol.com.br/br/generos/Generos.asp?Nu_Materia=26


No vídeo acima Noel Rosa, Braguinha, Almirante, Alvinho e Henrique Brito no conjunto Bando de Tangarás, em 1929.
http://br.youtube.com/watch?v=26GAxh6_aKI&feature=related


O Carnaval
"Deixa Falar é o nome de uma extinta agremiação carnavalesca do bairro do Estácio, que foi bloco, rancho e é considerada por sambistas e pesquisadores do Carnaval como a primeira escola de samba do Brasil. (...) A Deixa Falar durou pouco tempo, fazendo "embaixadas" (visitas a outros redutos de samba como Mangueira, Oswaldo Cruz e Madureira) e desfilando na Praça Onze nos carnavais de 1929, 1930 e 1931, não chegando a participar do primeiro concurso oficial das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, organizado em 1932 pelo Jornal Mundo Sportivo."
Leia mais em http://pt.wikipedia.org/wiki/Deixa_Falar

Livro
Para os que gostam de pesquisas mais aprofundadas, indicamos o livro Almanaque do Samba, de André Diniz, que pode ser lido pela internet na íntegra no link http://books.google.com/books?id=on37wuwuMS0C&pg=RA1-PA152&lpg=RA1-PA152...


Letras de sambas criados até os anos 30

Pelo telefone - 1917
Donga e Mauro de Almeida

O chefe da folia
Pelo telefone manda me avisar
Que com alegria
Não se questione para se brincar

Ai, ai, ai
É deixar mágoas pra trás, ó rapaz
Ai, ai, ai
Fica triste se és capaz e verás

Tomara que tu apanhe
Pra não tornar fazer isso
Tirar amores dos outros
Depois fazer teu feitiço

Ai, se a rolinha, sinhô, sinhô
Se embaraçou, sinhô, sinhô
É que a avezinha, sinhô, sinhô
Nunca sambou, sinhô, sinhô
Porque este samba, sinhô, sinhô
De arrepiar, sinhô, sinhô
Põe perna bamba, sinhô, sinhô
Mas faz gozar, sinhô, sinhô

O peru me disse
Se o morcego visse
Não fazer tolice
Que eu então saísse
Dessa esquisitice
De disse-não-disse

Ah! ah! ah!
Aí está o canto ideal, triunfal
Ai, ai, ai
Viva o nosso carnaval sem rival

Se quem tira o amor dos outros
Por deus fosse castigado
O mundo estava vazio
E o inferno habitado

Queres ou não, sinhô, sinhô
Vir pro cordão, sinhô, sinhô
É ser folião, sinhô, sinhô
De coração, sinhô, sinhô
Porque este samba, sinhô, sinhô
De arrepiar, sinhô, sinhô
Põe perna bamba, sinhô, sinhô
Mas faz gozar, sinhô, sinhô

Quem for bom de gosto
Mostre-se disposto
Não procure encosto
Tenha o riso posto
Faça alegre o rosto
Nada de desgosto

Ai, ai, ai
Dança o samba
Com calor, meu amor
Ai, ai, ai
Pois quem dança
Não tem dor nem calor
O chefe da polícia
Com toda carícia
Mandou-nos avisá
Que de rendez-vuzes
Todos façam cruzes
Pelo carnavá!...

Em casas da zona
Não entra nem dona
Nem amigas sua
Se tem namorado
Converse fiado
No meio da rua.

Em porta e janela
Fica a sentinela
De noite e de dia;
Com as arma embalada
Proibindo a entrada
Das moça vadia

A lei da polícia
Tem certa malícia
Bastante brejeira;
O chefe é ranzinza
No dia de "cinza"

Não quer zé-pereira!

Coro (civis)

Me dá licença, não dou, não dou
Faça favô, não dou, não dou
Pra residença, não dou, não dou
Com pressa vou, não dou, não dou

Coro (madamas)

Do chefe é orde? não vou, não vou
Sua atrevida, não vou, não vou
Entrar não pode, não vou, não vou
Vá pra avenida, não vou, não vou.
João da Bahiana e Donga (Patrão prenda seu gado)
Heitor dos Prazeres



Patrão, prenda seu gado (chula-raiada, 1931)
João da Baiana, Donga e Pixinguinha

Ô patrão / Ô patrão / Ô patrão, prenda seu gado /
Na lavra tem um ditado / Quem mata gado é jurado /
Missa de padre é latim/ Rapaz solteiro é letrado /
Em vim preso da Bahia / Só porque era namorado /
Madame Diê, lalá

Samba ioiô, samba iaiá / Que o dia e vem, doná

Eu bem sei / Eu bem sei / Eu bem sei que fui culpado/
De vir preso da Bahia / Só porque fui namorado /
Vou tirar meu passaporte / Meu camarote de proa /
Eu aqui não vou ficar / Vou-me embora pra Lisboa /
Senhorita vai ver, doná

Samba ioiô, samba iaiá / Que o dia e vem, doná

Ô, Joana, ô Maria, / Saruê pra que trabalha /
No pescoço da cutia / No pavilhão, da atalaia /
Era hoje, era ontem, era donte / Era donte, era ontem, era hoje /
Sinhazinha mandou me chamá / Corri quatro cantos /
Balão de iaiá / Balão ê, balão á



Jura - 1928
Sinhô

Jura, jura, jura
pelo Senhor
Jura pela imagem
da Santa Cruz do Redentor
pra ter valor a tua jura
jura, jura
de coração
para que um dia
eu possa dar-te o amor
sem mais pensar na ilusão

Daí então dar-te eu irei
o beijo puro da catedral do amor
Dos sonhos meus, bem junto aos teus
para fugirmos das aflições da dor



Para me livrar do mal - 1932
Ismael Silva e Noel Rosa

Estou vivendo com você
Num martírio sem igual
Vou largar você de mão
Com razão
Para me livrar do mal.

Supliquei humildemente
Pra você se endireitar
Mas agora, infelizmente
Nosso amor vai se acabar.

Vou embora afinal
Você vai saber porque
É pra me livrar do mal
Que eu fujo de você.

Você teve a minha ajuda
Sem pensar em trabalhar
Quem se zanga é quem se muda
E eu já tenho onde morar.

Nunca mais você encontra
Quem te faça o bem que eu fiz
Levei muito golpe contra
Passe bem, seja feliz.



O samba da minha terra
Dorival Caymmi

O samba da minha terra
Deixa a gente mole
Quando se canta, todo mundo bole
Quando se canta, todo mundo bole
Quando se canta, tudo mundo bole...

Quem não gosta de samba
Bom sujeito não é
É ruim da cabeça
Ou é doente do pé
Eu nasci com o samba
No samba me criei
E do danado do samba
Eu nunca me separei...

Samba lá da Bahia
Deixa a gente mole
Quando se canta, todo mundo bole
Quando se canta, todo mundo bole
Quando se canta, todo mundo bole...



Se Acaso Você Chegasse
Felisberto Martins e Lupicínio Rodrigues

Se acaso você chegasse
No meu chateau e encontrasse
Aquela mulher que você gostou
Será que tinha coragem
De trocar nossa amizade
Por ela que já lhe abandonou?

Eu falo porque essa dona
Já mora no meu barraco
À beira de um regato
E de um bosque em flor
De dia me lava a roupa
De noite me beija a boca
E assim nós vamos vivendo de amor



Alegria
Orlando Silva

Alegria
Pra cantar a madrugada
As morenas vão sambar
Quem samba tem alegria

Minha gente
Era triste amargurada
Inventou a batucada
Pra deixar de padecer

Salve o prazer
Salve o prazer

Da tristeza não quero saber
A tristeza me faz padecer
Vou deixar a cruel nostalgia
Vou cantar noite e dia

Esperando a felicidade
Para ver se eu vou melhorar
Vou cantando, fingindo alegria
Para a humanidade
Não me ver chorar

Alegria
Pra cantar a batucada
As morenas vão cantar
Tem samba tem alegria

Minha gente
Era triste amargurada
Inventou a batucada
Pra deixar de padecer

Salve o prazer
Salve o prazer



Se você jurar - 1931

Ismael Silva

Se você jurar que me tem amor
Eu posso me regenerar
Mas se é para fingir, mulher
A orgia assim não vou deixar
Muito tenho sofrido
Por minha lealdade
Agora estou sabido
Não vou atrás de amizade
A minha vida é boa

Não tenho em que pensar
Por uma coisa à-toa
Não vou me regenerar

A mulher é um jogo
Difícil de acertar
E o home como um bobo
Não se cansa de jogar
O que eu posso fazer
É se você jurar
Arriscar a perder
Ou desta vez então ganhar



Aquarela do Brasil
Ary Barroso

Brasil, meu Brasil Brasileiro
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos
Ô Brasil, samba que dá
Bamboleio, que faz gingá
Ô Brasil do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil, Brasil, prá mim, prá mim...
Ô abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do serrado
Bota o rei congo no congado
Brasil, Brasil! deixa cantar de novo o trovador
A merencória luz da lua
Toda cação do meu amor...
Quero ver a Sá Dona caminhando
Pelos salões arrastando
O seu vestido rendado
Brasil!... Brasil! Prá mim ... Prá mim!
Brasil, terra boa e gostosa
Da moreninha sestrosa
De olhar indiferente
Ô Brasil, verde que dá
Para o mundo admirá
Ô Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil,...Brasil! prá mim!... prá mim
Ô, esse coqueiro que dá coco
Oi onde eu armo a minha rede
Nas noites claras de luar, Brasil... Brasil,
Ô oi estas fontes murmurantes
Oi onde eu mato a minha cede
E onde a lua vem brincá
Ôi, esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil Brasileiro
Terra de samba e pandeiro,
Brasil!... Brasil!
Pixinguinha


E outras

Com que roupa
Onde está a honestidade
Rapaz Folgado
O teu cabelo não nega
Não quero mais amar a ninguém
Carinhoso
Palpite Infeliz
O orvalho vem caindo


Nessa toada, dando sequência ao movimento, nos próximos meses traremos conteúdos referentes à década de 40, depois 50, 60, e assim por diante.